CBR

 

17

fevereiro

2014

AMB cria programa para acolher desertor do Mais Médicos

amb_programaContrária ao modelo do programa Mais Médicos, um dos principais da gestão Dilma Rousseff, a AMB (Associação Médica Brasileira) criou uma iniciativa para reter e fixar no país o médico estrangeiro que deixar o programa.

Ela prevê até um “disk-deserção”: por um celular 24 horas, o estrangeiro pode solicitar assistência para se desvincular do programa.

Procurado, o Ministério da Saúde não quis se pronunciar.

Lançado em junho, o Mais Médicos utiliza profissionais com diplomas estrangeiros, visando reduzir o déficit no interior ou nas periferias.

Para entidades médicas, entre elas a AMB, esses profissionais podem ter conhecimentos insuficientes e são trazidos sem critério de avaliação. Essa oposição, porém, não encontrou eco na população, que aprovou a vinda dos estrangeiros, segundo pesquisas.

A iniciativa da AMB é mais um capítulo desse embate.

Ela prevê que o estrangeiro receba apoio jurídico no julgamento de pedidos de asilo ou refúgio e conte com aulas on-line para prestar o Revalida, o exame que reconhece o diploma estrangeiro –participantes do Mais Médicos têm permissão específica.

A associação afirma ainda que vai ajudar financeiramente o desertor por meio de parcerias com empresas e entidades médicas.

O presidente da AMB, Florentino de Araújo Cardoso, diz que tomou a iniciativa após a deserção, na semana passada, da cubana Ramona Rodriguez.

“Ela nos disse que teve a liberdade cerceada. Só podia sair de casa para trabalhar. Se fosse viajar, teria de notificar seu supervisor em Belém. A nosso ver, isso significa que o governo patrocina um modelo análogo à escravidão.”

Contratada pela AMB para prestar assessoria, Ramona segue à espera do julgamento do pedido de refúgio no país.

Após o caso dela vir a público, a AMB diz ter recebido dez novos pedidos de auxílio à deserção de cubanos.

Araújo diz que os cubanos terão mais atenção da associação “devido à insegurança jurídica do convênio que os trouxeram ao país”.

Hoje, atuam no Brasil pelo Mais Médicos 7.400 profissionais cubanos.

Notícia publicada na Folha de S. Paulo em 14/02/14

Clique aqui para conhecer o programa

Noticias Aleatórias