CBR

 

25

março

2014

Médicos do RJ e SP anunciam mobilizações em defesa da saúde

Nos dois estados, que possuem maior número absoluto de médicos registrados, haverá protesto e suspensão de atendimento. Nos próximos dias, serão definidas as atividades a serem realizadas de Norte a Sul

A partir de 7 de abril, Dia Mundial da Saúde, a classe médica se mobiliza em todo o país, intensificando sua luta em defesa da qualificação da assistência aos pacientes e da valorização do trabalho dos profissionais. O movimento se desdobrará em atividades que protestam contra abusos e omissões que afetam tanto a rede pública quanto suplementar de atendimento. As ações estão sendo organizadas nos estados por comissões compostas por representantes dos conselhos de medicina, associações, sociedades de especialidades e sindicatos médicos.

No estado de São Paulo, os médicos realizarão um grande protesto contra os planos e seguros de saúde. Uma suspensão de atendimentos está prevista para o dia 7. Trata-se de uma reação ao desrespeito dos empresários aos pacientes e aos médicos. Pela primeira vez, outras duas categorias profissionais (fisioterapeutas e cirurgiões-dentistas) comporão o protesto, reforçando a luta pelo acesso pleno à assistência para os pacientes e a valorização do trabalho dos prestadores de serviço.

No Rio de Janeiro, a classe promete uma suspensão relâmpago de atendimentos na mesma data. Também foi anunciado um ato público no centro da capital por melhores condições de trabalho no Sistema Único de Saúde (SUS). No período do protesto, previsto para acontecer de 10h às 14h, haverá paralisação dos serviços eletivos, sendo mantidos os atendimentos de urgência, emergência e oncológicos.

Essas atividades integram a agenda nacional de mobilização – apoiada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), Federação Nacional de Medicina (Fenam) e Associação Médica Brasileira (AMB). A programação nos outros Estados deverá ser anunciada nos próximos dias, a partir das definições tomadas nas assembleias locais. As atividades podem incluir atos públicos, passeatas, ações comunitárias e até suspensão de serviços.

Os médicos entendem que este é o caminho para chamar a atenção da sociedade e das autoridades para os problemas que afetam a saúde, eleita pelos brasileiros como tema que deve ser tratado como prioridade em 2014. No caso da saúde suplementar, a reivindicação é de composição de honorários, fim da intervenção antiética das operadoras na autonomia profissional e a readequação da rede credenciada, para que seja garantido o acesso pleno e digno dos pacientes à assistência contratada.

No setor público, os protestos pedem mais recursos para o setor, com reajuste imediato da Tabela SUS e a aprovação do Projeto de Lei de Iniciativa Popular Saúde+10, que pede a vinculação de 10% da receita bruta da União à saúde (PLP 321/2013). Também é reivindicada a criação de uma carreira pública e a desprecarização do trabalho médico. Os profissionais exigem realização de concurso público com salário adequado; plano de cargos, carreira e vencimentos; maior financiamento para a saúde; melhores condições de trabalho; e atendimento adequado para a população.

Fonte: CFM

Noticias Aleatórias