CBR

 

10

janeiro

2013

CFM defende a condução de exames de ultrassonografia por médicos

O emprego de algumas técnicas radiológicas e imagenológicas – como a ultrassonografia, por exemplo – requer alto nível de treinamento e deve ser conduzida por médicos. Esta foi a posição do Conselho Federal de Medicina (CFM) durante audiência pública na Câmara dos Deputados, no dia 6 de dezembro, que discutiu o PL 3.661/12, que regulamenta o exercício de atividades radiológicas.

Representando o CFM, o conselheiro Aldemir Humberto Soares, especialista em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, explicou que a ultrassonografia implica conhecimento de anatomia, fisiologia, patologia e mesmo técnica cirúrgica, pois há procedimentos endoscópicos, transvaginais, que são invasivos, e procedimentos intervencionistas guiados por ultrassom, como biópsia de tireoide, fígado, rim, próstata, etc. “Hoje a ultrassonografia é uma especialidade médica reconhecida e estabelecida no mercado, que requer seis anos de graduação mais especialização que varia de três a quatro anos, ou seja, um preparo de até dez anos. Por isso, a nossa ultrassonografia ganhou alto reconhecimento no mundo. Ela tem a vantagem de ser exame sem radiação, e muito barato dentro do contexto de imagem”, explica.

Durante a reunião, a entidade criticou alguns pontos do PL, como a autorização para que bacharéis em ciências radiológicas, tecnólogos em radiologia e técnicos em radiologia empreguem algumas técnicas como a ultrassonografia.

O representante do CFM destacou ainda que a Radiologia é uma das áreas da medicina que apresentou o maior desenvolvimento técnico-científico. A entidade entende que a profissão de técnico em radiologia é fundamental na atualidade e deve ser adequada ao atual nível da especialidade de radiologia. “Estamos em um nível muito alto de qualidade de exame, de equipamentos, procedimentos e técnicas que o tradicional curso de técnico não atende mais. O nível superior pode ser reconhecido e regulamentado no nível tecnológico, mas não deve trazer confusão e desencontro entre as diversas profissões, deixando sempre claro os limites entre cada uma. O que buscamos é que todos tenham o seu espaço, progridam e melhorem em função da população, e que prestemos um serviço melhor”, defendeu. A audiência foi proposta pelos deputados Benedita da Silva (PT-RJ) e Eleuses Paiva (PSD-SP). “Cada profissão tem obrigações e deveres de acordo com seu conhecimento e habilidades adquiridas. Me preocupa muito quando começamos a ultrapassar os limites para os quais cada profissional é treinado e capacitado”, destacou Paiva.

Também participaram representantes do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), Associação Brasileira de Física Médica (Abfm), Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), Instituto Federal de Santa Catarina (Ifsc), Conselho Federal de Biomedicina (Cfbm) e Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (Conter).

Fonte: CFM

Noticias Aleatórias