CBR

 

17

fevereiro

2011

Equipamentos médicos exportados à Europa devem seguir requisitos da UE

Fabricantes de equipamentos médicos, hospitalares, odontológicos e de laboratórios, que queiram exportar produtos para o mercado europeu, têm até 2014 para se adequar às normas ambientais da União Europeia (UE).

Sendo assim, representantes do Governo reuniram-se com os fabricantes do setor na segunda semana de fevereiro para discutir a adaptação dos produtos brasileiros às diretivas chamadas de RoHS (Restriction of Certain Hazardous Substances – Restrição de Certas Substâncias Perigosas) e WEEE (Waste  Electrical and Electronic Equipment – Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos), de forma que estas adaptações sejam alinhadas com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

As normas RoHS e WEEE estabelecem orientações de como produzir de maneira ecologicamente correta. As empresas que adotarem as diretivas receberão em seus aparelhos um selo de consumo verde indicando a adequação, prática que, na atualidade, ocorre voluntariamente. 

 “As diretivas RoHS e WEEE foram adotadas pela União Europeia em 2003, o que levou a um avanço significativo para consumidores e produtores. Essa discussão integrada permitirá que, juntos, Brasil e União Europeia encontrem formas de enfrentar os desafios que o mercado impõe aos fabricantes”, destacou o representante da Delegação, afirmou Jérôme Poussielgue do Setor de Cooperação da Delegação da União Europeia no Brasil.

FONTE: Assessoria de Comunicação Social da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI)

Noticias Aleatórias