CBR

 

30

setembro

2011

Mercantilização da medicina é tema do II Fórum Nacional de Residência Médica

Dois novos temas – internato e mercantilização da medicina – serão incluídos na programação do próximo Fórum Nacional de Residência Médica, que vai ser realizado nos dias 1 e 2 de dezembro, em Brasília. Em 27 de setembro a Comissão Nacional de Ensino Médico se reuniu na sede do Conselho Federal de Medicina (CFM), para avaliar a primeira edição do Fórum, que aconteceu em julho do ano passado, e traçar as coordenadas visando à realização do próximo evento.
 
Após a avaliação dos temas, das conferências e dos palestrantes, o I Fórum de Residência Médica foi classificado como bem sucedido pelos integrantes da comissão, por isso o segundo, que dará ênfase ao novo Código de Ética Médica, deverá seguir a mesma linha, desta vez incluindo nos debates o internato, por conta da importância de se discutir como se tornar médico desde o início e não somente no período de especialização, e mercantilização da saúde, que envolve a preocupação da segurança do paciente no plano da tecnologia atual, na qual existe interesse mercadológico.
 
Na ocasião, os organizadores do evento também pretendem apresentar o estudo que está em andamento sobre a demografia médica no Brasil. A previsão é de que até a segunda quinzena de novembro esse estudo já esteja concluído. A iniciativa partiu da Comissão Nacional Pró-SUS, em conjunto com a Comissão de Ensino Médico, ambas formadas por membros da Federação Nacional dos Médicos, Associação Médica Brasileira e do Conselho Federal de Medicina. A pesquisa visa ampliar o debate da necessidade de se formar mais médicos no país, levando-se em conta a qualificação profissional, a localidade e os recursos disponíveis.
 
“O I Fórum foi um sucesso, tendo como principal objetivo discutir a qualidade do ensino médico do Brasil, debatendo a questão da abertura de novas escolas. No momento, procuramos aprofundar os assuntos que já foram colocados e balizá-los, como também abordar novos temas que estão na mídia”, declarou a presidente da FENAM Regional Centro-Oeste/Tocantins e representante da Federação no encontro, Janice Painkow.
 
Dentro da pauta da reunião, foram discutidas ainda questões relacionadas à revalidação e entrega de diploma, abertura de nova escola médica em Tocantins e residência multiprofissional, bem como estágio e cursos de extensão.
 
Sobre a abertura de uma nova faculdade de medicina em Tocantins, ficou definido que as entidades médicas nacionais vão encaminhar um documento ao Ministério da Educação, denunciando a implantação do curso e pedindo vistoria.
 
Em relação à Medida Provisória 520/2010, aprovada pela Câmara dos Deputados, criando a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), as entidades médicas estão aguardando os pareceres de seus departamentos jurídicos para que possam se posicionar. No caso da residência multiprofissional, a conclusão foi de que esse tipo de residência não confere título de especialista.

Fonte: Fenam

Noticias Aleatórias