CBR

 

03

outubro

2011

Editores debatem avaliação de revistas científicas

A comissão formada por editores de revistas científicas voltadas para a área da medicina reuniu-se na quinta-feira, dia 22 de setembro, com o intuito de atualizar a discussão sobre a avaliação dos periódicos brasileiros e tratar de assuntos que surgiram nos últimos meses. Bruno Caramelli, editor da Revista da Associação Médica Brasileira, coordenou o encontro. Maurício Rocha e Silva, editor da revista Clinics, apresentou o estudo que está desenvolvendo sobre como são avaliados os artigos científicos e qual sua relação com fator de impacto das revistas.

As agências de fomento usam as seguintes premissas como base de avaliação: a importância de cada artigo é avaliada de pelo critério citabilidade, que indiretamente é avaliada através do fator de impacto da revista onde o artigo aparece. “Portanto, o fator de impacto da publicação substitui o número de citações efetivamente alcançadas pelo artigo em avaliação”, afirmou.

Com base nos estudos de Eugene Garfield sobre o assunto, Rocha e Silva diz ainda que o uso do fator de impacto da revista em lugar da contagem de citações reais do artigo para avaliar indivíduos é duvidoso, dada a a conhecida assimetria da maioria dos periódicos.

“O fator de impacto vira ferramenta substitutiva de avaliação e as agências financiadoras e classificadoras usam esse expediente para evitar o trabalho de contar individualmente as citações. Alega-se que a aceitação do artigo para publicação por uma revista de alto impacto é indicador implícito de prestígio e que artigos recém-publicados podem não ter tido tempo suficiente para serem citados”, explicou.

Para evitar esse efeito, Maurício Rocha e Silva apresentou a metodologia que vem desenvolvendo, denominada “Continuously Variable Rating”, que permitirá avaliar artigos dentro do contexto da revista que o publicou em comparação com outros artigos publicados pela mesma revista no mesmo ano. Permitirá ainda avaliar artigos muito recentes e eliminar a necessidade de dar notas às revistas. “O estudo está ainda em fase de finalização, mas é uma ideia que merece ser discutida e que em breve será divulgada em um artigo científico”, concluiu.

Os outros itens debatidos foram em relação a um encontro realizado com a diretoria da Fapesp na semana anterior, cujo objetivo era o de investigar a situação das revistas científicas do estado de São Paulo das mais diversas áreas, e a solicitação feita pelos coordenadores de área da Capes para que sejam indicadas revistas científicas brasileiras, que deverão receber apoio da agência.

“Os critérios para escolha destes periódicos, como quais receberão apoio, quantas revistas serão contempladas e qual a forma de apoio, são temas que preocupam os editores e que não estão esclarecidos pela Capes. Os editores decidiram convidar os representantes da área da Medinan na Capes para uma próxima reunião, para esclarecimentos”, explicou Caramelli.

A próxima reunião será dia 20 de outubro, na AMB.

Fonte: AMB

Noticias Aleatórias