CBR

 

16

novembro

2011

SC: médicos de Balneário Camboriú paralisam atividades a partir de 7 de dezembro

“Acabou a paciência”. Foi com essa expressão que os médicos da prefeitura de Balneário Camboriú (SC) decidiram no dia 10 de novembro paralisar por tempo indeterminado as atividades a partir das 8 horas do dia 7 de dezembro. Desde novembro de 2010 a categoria tenta sem sucesso negociar com a prefeitura fixação de remuneração salarial entre outras reivindicações.

“Durante um ano o Sindicato tentou sem sucesso negociar com a administração municipal. Não nos resta outra alternativa a não ser apoiar os médicos nesta paralisação, lembrando que permanecemos abertos ao diálogo”, afirma o presidente do Sindicato dos Médicos de Santa Catarina (Simesc), Cyro Soncini.

De acordo com o presidente da Regional Balneário Camboriú do Simesc, Pedro Alves Cabral Filho, o prefeito Edson Dias e o secretário municipal de Saúde José Roberto Spósito conhecem as reivindicações da categoria. “Conseguimos conversar durante este período, mas não evoluímos em negociações. A prefeitura contratou uma empresa para elaborar o plano de cargos, carreiras e salários. A proposta do projeto foi apresentada aos médicos, mas o resultado final do plano, como ele será implantado, como será a remuneração e carga horária dos profissionais não”, conta.

Conforme Cyro Soncini, a população será penalizada pelo descaso da administração municipal. “Nos últimos movimentos médicos observamos que a sociedade está cada vez mais consciente de que os médicos são trabalhadores e, como todo trabalhador, tem compromissos com família e principalmente, com o constante aperfeiçoamento profissional. Por isso, assim como nos outros movimentos realizados este ano, pedimos o apoio da população de Balneário Camboriú. Se saúde é prioridade e exige qualidade, temos que unir forças para que o poder público garanta isso”, destaca.

As tentativas
Em novembro do ano passado os médicos acertaram em assembleia apresentar ao prefeito Edson Dias a fixação de remuneração salarial no valor de R$ 3.927,32, para jornada de 20 horas semanais. Este valor é equivalente a 50% do salário fixado para os médicos do programa de saúde da família.

Em uma das reuniões, o secretário Spósito chegou a sugerir que os médicos aceitassem a redução da jornada de trabalho ao invés de elevar a remuneração. “Naquele momento observamos que pouco poderíamos fazer para impedir a paralisação. Mesmo assim resolvemos dar mais uma chance. Tentamos agendar uma reunião para que o prefeito pudesse apresentar o plano de cargos e salários. Não tivemos sucesso”, acrescenta Cyro Soncini.

Um ofício informando ao prefeito Edson Dias sobre a paralisação dos médicos foi protocolado na prefeitura de Balneário Camboriú. O mesmo documento foi entregue ao Ministério Público, Conselho Regional de Medicina (Cremesc), Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú e Sindicato dos Dentistas.

Reivindicações
- Fixação de remuneração salarial no valor de R$ 3.927,32, para uma jornada de 20 horas semanais, valor equivalente a 50% do salário fixado para os médicos ESF
- Adoção do principio da equivalência salarial entre todos os médicos vinculados à prefeitura de Balneário Camboriú, em quaisquer setores e/ou programas estabelecidos;
- Contratação de médicos exclusivamente por concurso público, conforme determina a Lei Maior;
- Implantação do plano carreira, cargos e salários com a regulamentação da jornada de trabalho; pagamento de adicional de insalubridade; pagamentos das gratificações de especialidade médica, mediante comprovação junto ao Conselho Regional de Medicina e aos médicos com pós-graduação em nível de mestrado ou doutorado.

Fonte: Simesc

Noticias Aleatórias